terça-feira, 2 de março de 2010

DescaradaMENTE

POEMA da 'MENTE'...
Há um Primeiro-Ministro que mente,
Mente de corpo e alma, completa/mente.
E mente de modo tão pungente
Que a gente acha que ele, mente sincera/mente,
Mas que mente, sobretudo, impune/mente...
Indecente/mente.
E mente tão habitual/mente,
Que acha que, história afora, enquanto mente,
Nos vai enganar eterna/mente...
(Recebido por mail)

4 comentários:

Alergia disse...

Isto já não pode continuar a ser negado, evidenteMENTE!
Bjos

Hurtiga disse...

:))

asmodeux disse...

é o comentário do Camilo caia bem aki dou graças à providência a esmola de não ser poeta numa era onde a poesia é tão pródiga até a matemática devia ser ensinada em verso

asmodeux disse...

say nothing,creep away
and live to knock another day
elusne era o código de verificacion
as fotos são bem escolhidas