sexta-feira, 18 de setembro de 2009

NÃO , EU NÃO VOU


JÁ DIZIA A MINHA TIA HELGA

"VAI-TIMBORA, Ó MELGA!"

Tinha pensado ir à manifestação amanhã. Mas não, não vou. Isto não é o que eu estava à espera. Convoquem-me quando quiserem ir dizer bye-bye à sinistra Milú ou então poderei ir eu mesma sozinha, mas, amanhã, eu não vou não.

Os cartazes já estavam prontos, ou quase.

Que é isto de voto útil? Eu voto no distrito de Leiria e nem morta colocaria a cruzinha no tortas ou no bacalhau seco! JAMÉ!

Quando as causas se politizam... 'tá tudo lixado! E quando no ar fica um cheirinho a estranheza... também.

OU SERÁ IMPRESSÃO MINHA?

"Também lá não fazes falta!" Podem dizer. Ao que eu responderei: "'tá bem. 'tamos dacordo!"

4 comentários:

cicuta disse...

As causas não se politizam, elas são a politica.
Que raio de conceito alguns têm de politica! É muito mais próximo do de clubismo,

Hurtiga disse...

Não será o clubismo também uma espécie de política?
O que eu pretendia dizer, e pelos vistos não me fiz entender, é que a causa pela qual se têm batido os professores é a da resistência face à degradação do ensino em geral e da dignidade profissional em particular. É contra um regime do "quero, posso e mando" em que não se ouve ninguém. Contra a equipa da educação de Sócrates que sempre manifestou um desprezo absoluto pelos docentes.
MAS isso não tem necesssariamente que passar pela promoção de outros que só querem poleiro para fazer mais do mesmo. Há algo nisto que me cheira a ranço e só me resta demarcar-me... tal como já fiz com o sindicato.
Exprimi o meu ponto de vista que será tão válido como qualquer outro!
Cada um faça o que mais e melhor lhe aprouver!

JOSÉ LUIZ SARMENTO disse...

É em Leiria, salvo erro, que o PS precisa de ter o dobro de votos do PSD para eleger mais um deputado. Quem votar PSD contribui com dois votos para que isso não aconteça: o que dá ao PSD e o que tira ao PS.

Mas se alguém, como a Hurtiga, decidir que nem morta vota no bacalhau seco (como eu decidiria se estivesse no lugar dela), pode votar num outro partido. Não contribuirá com dois votos para a derrota do PS, mas contribuirá com um: aquele que lhe retira Infelizmente, porém, esse deputado retirado ao PS será eleito pelo PSD.

Não importa. Às vezes o gesto é que conta, mesmo quando não passa de um gesto. Não censuro a Hurtiga porque no lugar dela faria o mesmo. Só lamento que com o sistema eleitoral vigente eu acabe por ser um "eleitor de primeira" (cujo voto será consequente seja qual for o partido que escolher) e ela um "eleitor de segunda", proibida pelo sistema de fazer coincidir o voto convicto com o voto útil.

Hurtiga disse...

Pode ser que o cenário de voto mude efectivamente... Enfim, é o meu lado optimista a falar...sem muita convicção... em Leiria o panorama nunca difere muito... infelizmente. Mas, não, não prostituir o meu voto, isso JAMÉ!
Abraço, Luiz!